-

literatura: jogador nº 1, ernest cline


*Resenha sem spoilers

Sabe quando você termina uma leitura e automaticamente sente um vazio que não consegue preencher? Há alguns dias percorro minha estante, tentando encontrar algum livro que tenha deixar passar despercebido. Algo que me desperte uma vontade inesperada de devorar as páginas. Será que existe vida literária pós Jogador Nº 1

Enquanto resisto ao ímpeto de começar a reler o livro de Ernest Cline, resolvi que listaria aqui alguns pontos desta obra que é um verdadeiro nerdgasm

Primeiro, vou ambientá-los na trama: tudo se passa em um futuro distópico em que os recursos naturais da Terra se tornam cada vez mais escassos, a pobreza é recorrente e 90% da humanidade vive sua vida através do OASIS, um simulador no maior estilo Second Life que tomou uma proporção inimaginável, substituindo para muitos a vida real.

Wade Watts, é um dos garotos que só parece ter uma vida de verdade dentro do OASIS. Lá ele estuda, tem amigos e assume o controle de um personagem chamado Parzival. Na vida real, Wade é um órfão que vive nas "pilhas", com sua tia que não se importa muito com sua existência. 

O rapaz vê uma chance de mudar sua vida com a morte de James Halliday, o idealizador do OASIS, que sem herdeiros, resolve criar a maior caça à um easter egg já vista. O prêmio? Toda sua fortuna e controle de suas ações no OASIS. 

Só que esta busca não será tão fácil quanto parece. Halliday era um verdadeiro nerd e completamente aficionado pelos anos 80. Para desvendar a localização do easter egg, os jogadores precisam mergulhar em um livro chamado "O Almanaque de Anorak", um compilado de todas as paixões do finado. 

Entretanto, Parzival não está sozinho nessa busca. Praticamente todo avatar existente no OASIS está na procura do famoso easter egg de James Halliday. E é mais ao menos aí que toda a aventura começa...

Crédito: lerms
O livro é lotado de referências incríveis. Desde coisas pequenas (como uma réplica da nave Serenity), até grandes partes do mistério por trás do easter egg, estão direcionadas à referências da cultura pop (por exemplo, o álbum 2112 do Rush é uma ótima pista para quem quer tentar desvendar os enigmas do livro).

Enfim, não há muito o que dizer sem entregar spoilers importantes do livro. Entretanto, se eu posso dar um conselhos pra vocês é que LEIAM O LIVRO! \o/ Garanto que vocês não vão se arrepender.

E como sou apaixonada por músicas dos anos 80, montei uma lista de (quase) todas as referências musicais do livro. É só dar o play e deixar se transportar para esta década maravilhosa!

Mia Fernandes
Comentários do Facebook
2 Comentários do Blogger